Vítimas de ataques de ransomware quase duplicaram em 2022

1422
Abstract Malware Ransomware virus encrypted files with key on binary bit background. Vector illustration cybercrime and cyber security concept.

Os grupos de cibecriminosos estão constantemente a adaptar as suas técnicas para afetar o maior número de utilizadores possível e, ao longo de 2022, a Kaspersky detetou mais de 21 400 “estirpes” de ransomware.

Segundo novos dados avançados pela Kaspersky, ao longo dos 10 primeiros meses de 2022, a proporção de utilizadores que foram vítimas de ataques de ransomware quase duplicou em comparação com o período homólogo no ano passado.

Os especialistas da empresa de cibersegurança detalham que a percentagem de vítimas de ataques de ransomware direcionados representou 0,026% do total de utilizadores atacados em 2022. No ano passado, essa percentagem situava-se nos 0,016%.

This slideshow requires JavaScript.

MAIS: Empresas do sector de retalho foram a 2ª indústria mais atacada pelo ransomware em 2021

Os grupos de ransomware estão constantemente a adaptar as suas técnicas para afetar o maior número de utilizadores possível. Como exemplificam os investigadores, a LockBit, uma das variantes de ransomware mais populares, continua a tornar-se cada vez mais sofisticada, com os cibercriminosos responsáveis a adicionarem novas opções maliciosas.

Ao longo de 2022, a Kaspersky detetou mais de 21 400 “estirpes” de ransomware. A mais recente descoberta de Kaspersky é a variante Play, cujo código não tem qualquer semelhança com outras amostras deste tipo de software malicioso encontradas anteriormente pelos especialistas e que se destaca pelas suas capacidades de autopropagação.

Segundo Jornt van der Wiel, security expert na Kaspersky, os cibercriminosos especializados em ransomware “acompanham de perto o trabalho dos concorrentes”. “Se alguém implementar com sucesso uma determinada funcionalidade, há uma grande probabilidade de que outros também o façam”.

A autopropagação de ransomware é um exemplo claro disso mesmo”, explica o especialista, acrescentando que existem cada vez mais grupos de cibercriminosos que “assumem técnicas inventivas que tornam os ataques de ransomware ainda mais direcionados e destrutivos – e as estatísticas deste ano provam-no”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui