A tendência de 2019 que vai a impactar o smartphone no continente africano

1209

A digitalização e a inovação digital não são esquecidas à medida que o continente africano está a crescer. De acordo com o relatório GMSA Mobile Economy 2018 para a África Subsaariana, os assinantes móveis aumentaram 44% em 2017 e isso foi reforçado por um aumento na penetração de smartphones que aumentou 75%.

Prevê-se que a banda larga móvel represente 87% do total de conexões até 2025, em 690 milhões de smartphones. De acordo com Joachim Wuilmet, Chefe de Marketing de Clientes e Comunicações na Nokia, a África está à beira de uma evolução, pronta para mostrar ao resto do mundo o que pode fazer com um punhado de inovações e um compromisso de melhorar a infraestrutura.

Segundo Joachim Wuilment, “Os usuários em África estão cada vez mais conectados e a maioria dos participantes do mercado está focados em trazer essa conectividade para as áreas rurais e todos os aspectos da sociedade”, acrescentou ainda que, “Actualmente, a África Subsaariana ainda está presa à conectividade 2G, mas isso está prestes a mudar. A mudança do 2G para o 3G requer investimentos significativos e acesso aos dispositivos e tecnologia certas, mas depois torna-se mais fácil, já que o 4G é uma evolução natural. 

A mudança de 2G para 4G no continente está a ser impulsionada por infraestrutura s melhoradas e acesso a smartphones económicos. Isso permite que mais pessoas experimentem os benefícios do 3G e 4G em termos de conectividade, eficiência e recursos móveis. Dito isto, o lento e constante afastamento do continente de 2G não significa que o 5G seja uma reflexão tardia.

“Há algumas inovações impressionantes em torno da 5G em África e alguns sites comerciais na África do Sul já começaram a ser lançados”, afirma Daniel Jaeger, chefe de unidade de mercado, central, leste, oeste da África da Nokia. “No entanto, precisa-se manter a perspectiva, e precisa-se ainda alcançar o maior número possível de pessoas, migrá-las para o 3G e aumentar a penetração do smartphone antes de se saltar para o 5G.

Pode-se concluir que, conclui: As empresas estão a se concentrar no seu redor e no novo espectro, procurando construir estrategicamente redes nos lugares certos e aproveitar a tecnologia que está a espera pela oportunidade certa de prosperar. O continente estará a buscar o potencial do 5G, mas o foco será medido e estratégico para garantir tempo de actividade, segurança e capacidade de longo prazo.