“Apagão” no Facebook não foi ataque informático, foi erro interno, diz empresa

2432

O Facebook excluiu no dia de ontem a hipótese de o “apagão” mundial dos seus serviços na segunda-feira, por quase seis horas, se ter devido a um ataque informático e atribuiu o mesmo a um erro técnico causado pela própria empresa.

De acordo com um post de Santosh Janardhan, vice-presidente de infraestruturas da rede social Facebook, num blogue da empresa, os serviços não ficaram inativos por atividade maliciosa, mas sim por “um erro causado por nós próprios”, disse.

O “apagão” do Facebook e das suas plataformas Instagram, WhatsApp e Messenger começou por volta das 16:30 de Angola, onde deixou sem serviço milhões de pessoas em todo o planeta.

Horas mais tarde desse fatídico acidente, o próprio administrador e co-fundador da rede social, Mark Zuckerberg, pediu publicamente desculpas.

De informar que o Facebook nos últimos anos tem evidado esforços para proteger os seus sistemas de possíveis ataques externos, adianta Santosh.

MAIS: Facebook enfrenta escândalo com fuga de documentos para The Wall Street Journal

“Acredito que se o preço a pagar por uma maior segurança do sistema no dia-a-dia é uma recuperação mais lenta dos serviços, vale a pena”.

Por outro lado, a quebra do Facebook e das restantes aplicações levou o Telegram, um serviço de mensagens instantâneas (como o WhatsApp) a receber mais de 70 milhões de novas adesões, disse hoje o fundador da rede, o russo Pavel Dourov.

O número de 70 milhões, em apenas um dia, levou o responsável a dizer que foi “um aumento recorde no número de adesões” e que estava orgulhoso da equipa que soube lidar com esse crescimento sem precedentes.

Na segunda-feira o serviço de mensagens Telegram passou de 56.º para 5.º lugar das aplicações gratuitas mais descarregadas nos Estados Unidos, segundo a empresa especializada SensorTower.

Gráfico a mostrar o quanto o dowloand do Telegram foi feito nos últimos dias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui