Como o Covid-19 afectou a cibersegurança

0
874

Em Março de 2020, o surto da COVID-19 já havia atingido mais de 100 países e foi oficialmente designado como pandemia. O mundo luta contra esse vírus sem precedentes há um ano. Além dos seus efeitos óbvios na saúde dos indivíduos e nas economias de países inteiros, a propagação da doença desencadeou mudanças repentinas e radicais na vida diária de milhões de pessoas.

O trabalho e o estudo foram transferidos para casa, e a videoconferência substituiu as reuniões sociais e de negócios. A mudança massiva online apenas exacerbou as preocupações com a cibersegurança. A principal mudança no processo de trabalho provavelmente foi a transição forçada para o trabalho em casa.

Muitas empresas não forneceram a seus funcionários equipamentos corporativos. Em vez disso, permitiram que a equipe trabalhasse e se conectasse à infraestrutura de TI do escritório a partir de dispositivos domésticos, que em muitos casos são mal protegidos. De acordo com a pesquisa da Kaspersky, cerca de 68% dos entrevistados trabalhavam em casa e usavam os seus computadores pessoais.

Os trabalhadores remotos também usavam os seus dispositivos pessoais para entretenimento, como jogos online (31%) e assistiam filmes online (34%). No entanto, muitos também usaram laptops e smartphones da empresa para fins “não-corporativos”.   Por exemplo, 18% dos entrevistados os usaram para visualizar conteúdo adulto.

Os cibercriminosos exploraram activamente o crescente interesse no entretenimento online, tentaram atrair os usuários a sites falsos e persuadi-los a baixar malware disfarçado em filme ou arquivo de instalação. Um total de 61% dos usuários pesquisados admitiram que baixaram software de sites de torrent, 65% usaram esses sites para música e 66% para filmes.

Os cibercriminosos não inventaram nenhum esquema de ataque fundamentalmente novo durante este ano de pandemia, mas exploraram activamente o tema COVID-19. E, como o trabalho passou para o ambiente online para muitas pessoas, o número de ataques online aumentou.

Para evitar se tornar uma vítima, recomenda-se algumas dicas universais:

  • Não clique em links de estranhos ou baixe arquivos de e-mails se não tiver certeza de que pode confiar no remetente;
  • Use dispositivos corporativos e software aprovados pela empresa para o trabalho e configure programas e dispositivos adequadamente;
  • Peça ao seu empregador para instalar uma proteção confiável nos dispositivos da empresa e fortalecer a segurança do seu próprio computador pessoal e smartphone.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here