Dados de 700 milhões utilizadores do LinkedIn colocados à venda

0
2340

Em Abril de 2021 dados de 500 milhões de utilizadores do LinkedIn vazaram e estiveram a venda num fórum de hackers, depois de 2 meses praticamente a história volta a repetir-se, agora são cerca de 700 milhões de dados de utilizadores da maior rede social de profissionais, que estão a venda.

Analistas do Privacy Sharks encontraram os dados colocados à venda no RaidForums por um hacker que se autodenomina “GOD User TomLiner”. O anúncio, postado no dia 22 de Junho 2021, afirma que 700 milhões de registros o que representa mais de 92% do total de 756M utilizadores. A base de dados está à venda na dark web, com registos que incluem números de telefone, endereços físicos, dados de geolocalização, e salários inferidos. estão incluídos no cache, uma amostra de 1 milhão de registros como “prova”.

A empresa Privacy Sharks examinou a amostra grátis e viu que os registros incluem nomes completos, sexo, endereços de e-mail, números de telefone e informações do setor. Não está claro qual é a origem dos dados – mas a coleta de perfis públicos é uma fonte provável. Esse foi o motor por trás da coleção de 500 milhões de registros do LinkedIn que foram colocados à venda em abril. Ele continha uma “agregação de dados de vários sites e empresas”, bem como “dados de perfil de membros visíveis ao público”, disse o LinkedIn na época.

De acordo com o a rede social, nenhuma violação de suas redes ocorreu desta vez:

“Enquanto ainda estamos investigando esse problema, nossa análise inicial indica que o conjunto de dados inclui informações extraídas na rede social, bem como informações obtidas de outras fontes”, de acordo com o comunicado da empresa. “Isso não foi uma violação de dados da plataforma e nossa investigação determinou que nenhum dado privado de membro do LinkedIn foi exposto. A coleta de dados do LinkedIn é uma violação de nossos Termos de Serviço e estamos constantemente trabalhando para garantir que a privacidade de nossos membros seja protegida.”

Existem mais 200 milhões de registros disponíveis na coleção desta vez, em comparação do primeira, então é provável que novos dados tenham sido apagados e que seja mais do que uma repetição do grupo anterior de registros, acrescentaram os pesquisadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here