Fundador da Huawei desafiou os EUA e aposta no Reino Unido

1197

No ano passado, as agências de inteligência dos EUA pediram aos cidadãos para que não comprem produtos da Huawei, isso porque a Huawei pode exercer pressão ou controlo sobre as infraestruturas da rede de telecomunicação do país.

Mas agora parece que Ren Zhengfei (fundador da Huawei) decidiu falar publicamente pela primeira vez durante uma entrevista desde que a sua filha, a CFO da empresa Meng Wanzhou foi presa no Canadá em Dezembro de 2018. Segundo ele, as acusações feitas pelo dos EUA que incluem fraude financeira e roubo de segredos comerciais, não serão suficientes para destruir a Huawei.

O mesmo avançou ainda salientando que, “não há como os EUA nos destruírem. O mundo não pode ficar sem nós porque somos mais avançados”. Mesmo que persuadam mais países a nos boicotarem temporariamente, podemos sempre solucionar um pouco esses problemas”. A entrevista de Zhengfei foi dada à BBC e, nela, o fundador da Huawei nega todas as acusações feitas.

O foco agora, segundo o fundador da empresa, é o Reino Unido. As principais operadoras de telefonia do país estão a trabalhar em parceria com a Huawei para implementar suas redes móveis 5G. Porém, ainda é necessário um aval do governo para que a empresa chinesa tenha permissão para trabalhar no Reino Unido.