Huawei demitiu funcionário preso na Polónia por suposta espionagem

544

Nos últimos anos, o nome da Huawei tem estado envolvida em casos que até já levaram as Agências de inteligência dos EUA a pedir que cidadãos não comprem produtos Huawei.

A Huawei não quer mais suspeitas em torno de suas motivações, mesmo nos casos em que não está directamente implicado. A gigante chinesa de tecnologia demitiu Weijing Wang, um funcionário preso na Polónia por espionagem de acusações, apesar das autoridades de segurança dizerem que a espionagem não estava directamente ligada à Huawei.
O funcionário levou a empresa a um “descrédito”, segundo um comunicado. A polícia também prendeu um cidadão Polaco em conexão com o caso.
O incidente ocorre em um momento particularmente ruim para a Huawei. Além da desconfiança generalizada provocada por governos ocidentais e agências de inteligência, a CFO Wangzhou Meng está a ser extraditada para os EUA devido a acusações que ela ajudou a evitar sanções. As pessoas já estão desconfiadas e a prisão não favorece a empresa.

Além disso, já existem consequências potenciais. O ministro polaco dos assuntos internos, Joachim Brudzinski, pediu à União Europeia e à OTAN que coordenassem quaisquer potenciais proibições aos equipamentos da Huawei. Enquanto a Polónia ainda está disposta a trabalhar com a China, o funcionário queria que os países esclarecessem suas posições. Já se falou em rever o envolvimento da Huawei na rede 5G da Polónia, e isso pode exacerbar a situação.