Ministério das Finanças de Angola sofre ataque cibernético

0
5034

Hoje em dia, a informação existente nas instituições é um dos seus maiores activos, pois existem dados ou informações que só dizem respeito a instituição e não devem estar ao alcance de pessoas externas que podem fazer mau uso ao apropriarem-se delas.

Nos últimos anos algumas instituições públicas do nosso país mostraram-se vulneráveis a ataques cibernéticos, dentre elas temos os casos mais recentes que aconteceu com a Sonangol, Imprensa Nacional, e o ITEL(Instituto de Telecomunicações).

O mais novo caso

O Ministério das Finanças comunicou recentemente, segundo o Jornal de Angola, que a plataforma tecnológica de apoio às suas actividades com acesso aos emails e pastas partilhadas foi alvo de um ataque cibernético na passada quinta-feira, 17 de Fevereiro, com origem e motivações não identificadas.

Os outros serviços foram afectados?

Felizmente não, os sistemas de arrecadação de receitas (SIGT, ASYCUDA, Portal de Serviços, Portal do Munícipe, Portal do Contribuinte e Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado – SIGFE) bem como os portais institucionais encontram-se em pleno funcionamento.

Os serviços de processamento de salário e o de arrecadação de receitas do Estado são dos muitos que não foram afectados pelo ataque cibernético, de origem desconhecida.

O Serviço de Tecnologias de Informação e Comunicação das Finanças Públicas – SETIC está a identificar o alcance da perturbação e os potenciais constrangimentos causados nos postos de trabalho e organismos tutelados, principalmente o programa de desmaterialização da correspondência interna e externa. As equipas do SETIC estão desde então ininterruptamente engajadas na solução e normalização do sistema de e-mails e da pasta de documentos partilhados, mitigando assim os impactos de tal situação na produtividade dos funcionários das Finanças Públicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui