NASA confirmou que encontrou gelo na lua

1178

A NASA confirmou que observou o que acredita ser gelo formado a partir de água na superfície da Lua. A observação foi feita por uma equipe de cientistas liderados por Shuai Li, da Universidade do Havaí e da Brown University, incluindo Richard Elphic, do Ames Research Center da NASA, no Vale do Silício, na Califórnia.

Os cientistas usaram dados do instrumento Moon Mineralogy Mapper (M3) da NASA para identificar três assinaturas específicas que provam definitivamente que há gelo de água na superfície da Lua.

Nas partes mais escuras e mais frias de suas regiões polares, uma equipe de cientistas observou directamente evidências definitivas de gelo de água na superfície da Lua. Esses depósitos de gelo são distribuídos irregularmente e poderiam ser antigos. No pólo sul, a maior parte do gelo está concentrado nas crateras lunares, enquanto o gelo do pólo norte é mais amplamente, mas esparsamente espalhado “.

Explicando a imagem:

A imagem mostra a distribuição do gelo na superfície do pólo sul da Lua (à esquerda) e do pólo norte (à direita), detectado pelo instrumento Moon Mineralogy Mapper da NASA. Azul representa os locais de gelo, pilotados sobre uma imagem da superfície lunar, onde a escala de cinza corresponde à temperatura da superfície (mais escura representando áreas mais frias e tons mais claros indicando zonas mais quentes). O gelo está concentrado nos locais mais escuros e mais frios, nas sombras das crateras. Esta é a primeira vez que os cientistas observaram directamente evidências definitivas de gelo de água na superfície da Lua.

No início de Junho de 2018, o rover Curiosity da NASA encontrou novas evidências preservadas em rochas em Marte que sugerem que o planeta vermelho poderia ter sustentado a vida antiga.

“Com gelo suficiente sentado na superfície, dentro dos poucos milímetros superiores a água poderá ser acessada como um recurso para futuras expedições para explorar e até permanecer na Lua, e potencialmente mais fácil de acessar do que a água detectada sob a superfície da Lua”. escreveu Frank Tavares, da NASA, sobre a observação.