Ransomware – um desafio iminente para as empresas africanas

281

Actualmente no mundo digital e não só, o tema mais debatido tem sido o vírus WannaCry,  “Ransomwaremais famoso da actualidadeUm tipo de vírus de computador que se estabelece no dispositivo de um usuário e mantém seus dados reféns até que o utilizador pague uma quantia que ronda os 300 USD.

Muitas empresas em todo o continente estão silenciosamente a lutar com a forma de se proteger contra essa ameaça, mas têm medo de denunciá-lo por medo de causar danos à reputação. Muitos relatórios de segurança descrevem o ransomware como uma batalha e um desafio iminente para as empresas africanas.

Em Novembro de 2016, cinco países africanos estiveram na lista dos 10 países no mundo que sofreram mais ataques- Botswana, Malawi, Namíbia, Uganda e República  Democrática do Congo. Angola não fez parte da lista dos mais atacados do ano passado.

Pagar por resgate é uma opção perigosa“- para começar, não há garantia de que seus arquivos serão devolvidos ou de que o malware será removido ou se o hacker irá explorá-lo novamente dentro de seis meses. Mas, apesar deste aviso, as empresas geralmente baseiam sua decisão em como o conjunto de dados envolvido é vital para as operações da empresa.

As empresas americanas admitiram publicamente que pagaram dezenas de milhares de dólares para ter seus arquivos de volta e com bitcoins cada vez mais popular na África, não vai ser surpreendente se os bancos e outras entidades corporativas que são alvo de sucesso, seguirem o caminho das americanas por causa do que poderia acontecer se eles não conseguissem acessar os arquivos.