Royal Academy of Engineering revela as startups para o Prémio África 2023

1188

Já são conhecidos os 15 empreendedores africanos escolhidos para o Prémio África 2023 para Inovação em Engenharia, fundado pela Royal Academy of Engineering, e que tem como objectivo demonstrar a importância da engenharia como viabilizadora da melhoria da qualidade de vida e do desenvolvimento económico.

A lista de 2023 representa 10 países africanos, incluindo, pela primeira vez, startups de Angola e Serra Leoa, onde os founders inovaram com as suas tecnologias pioneiras destinadas à reabilitação ambiental, educação, saúde e segurança humana.

As startups pré-selecionadas nessa edição de 2023 abordam desafios centrais para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, incluindo educação de qualidade, água limpa e saneamento, cidades e comunidades sustentáveis, boa saúde e bem-estar e energia limpa.

As inovações deste ano incluem um tratamento para converter a drenagem de ácidos das minas em água potável, uma unidade aquapónica portátil que utiliza resíduos de peixe para aumentar a produção de vegetais, uma ferramenta de aprendizagem robótica para crianças, um sistema de monitoria remota de cuidados de saúde e um fogão de cozinha ecológico que absorve carbono preto.

Eis os projetos selecionados.

  • Affordable AMD Solution, Boitumelo Nkatlo, África do Sul – Uma tecnologia para tratar a drenagem de ácidos das minas (AMD) utilizando resíduos industriais para reciclar água contaminada para consumo humano.
  • Aquaset, Obed Zar, Gana – Um sistema inteligente de gestão de água que monitora os níveis de água em furos e tanques de água, regulando o ritmo a que a água é bombeada e evitando avarias de bombas e desperdício de água.
  • Arobot, Cristovão Cacombe, Angola – Uma ferramenta de aprendizagem robótica para crianças que deve ser montada e programada para realizar tarefas específicas.
  • Digital Aquaponics, Flavien Kouatcha Simo, Camarões – Uma piscicultura portátil que utiliza resíduos de peixe como fertilizante para produzir vegetais orgânicos, permitindo aos pequenos agricultores aumentar a produção.
  • Electric Mobility, Chukwuemeka Eze, Nigéria – Um serviço de e-mobilidade que converte motociclos de três rodas movidas a gás em baterias, poupando até 60% nos custos de funcionamento.
  • FlexiGyn, Edmund Wessels, África do Sul – Um dispositivo portátil que permite aos ginecologistas diagnosticar e tratar problemas de saúde uterina sem anestesia.
  • MEDBOX, Emmanuel Ofori Devi, Gana – Um sistema de monitoria de cuidados de saúde que regista os sinais vitais de um paciente e os transmite aos médicos que depois fornecem conselhos médicos à distância.
  • Multi-Purpose Earth Brick Machine, Fikru Gebre Dikumbab, Etiópia – Uma máquina portátil operada manualmente para fazer blocos de terra comprimida interligados utilizando 90%-95% de solo e 5%-10% de cimento.
  • ProbiGal, Dr Deon Neveling, África do Sul – Um probiótico multi-estirpes específico do hospedeiro, concebido para promover a saúde intestinal e prevenir infeções bacterianas em galinhas, reduzindo a necessidade de antibióticos.
  • Smart Green Stove, Margaret Yainkain Mansaray, Serra Leoa – Um eficiente aparelho de cozinha não elétrico concebido para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e os riscos para a saúde, reduzindo a utilização de energia em 70%.
  • Smart Water Tech, Allen Chafa, Zimbabwe – Um sistema de monitoria e controlo da qualidade da água em tempo real para combater as doenças transmitidas pela água.
  • ThinkBikes CoolMAX, Tolulope Olukokun, Nigéria – Uma bicicleta de carga elétrica com um refrigerador alimentado por bateria para ajudar os pequenos agricultores da Nigéria a comercializar culturas alimentares frescas.
  • WAGA Power Pack, Gibson Kawago, Tanzânia – Um pacote de energia feito com baterias recicladas de computadores portáteis para fornecer energia fiável e acessível para bicicletas eléctricas, carregadores portáteis, luzes solares, empresas e casas.
  • Waste-to-Wealth Enhancer, Cletus Ekpoh, Nigéria – Um sistema de reciclagem em quatro partes para ajudar os coletores informais de resíduos.
  • YUNGA, Anatoli Kirigwajjo, Uganda – Uma rede digital local ligada através de um dispositivo físico que utiliza a Internet das Coisas para fornecer segurança a baixo custo em áreas com poucos recursos.

MAIS: Enygma Ventures lança nova ronda de financiamento para startups africanas

Lançado em 2014, o Prémio África é atribuído anualmente pela Royal Academy of Engineering aos inovadores africanos ambiciosos que criam soluções locais e escaláveis para desafios pan-africanos e internacionais. Os inovadores pré-selecionados para o Prémio África beneficiarão de um pacote único de apoio, incluindo incubação de empresas, mentoria, angariação de fundos e comunicações. O pacote inclui também o acesso à rede global da Academia de engenheiros e especialistas em negócios altamente qualificados e experientes no Reino Unido e em África.

Em meados de 2023, serão escolhidos quatro finalistas para apresentarem as suas inovações e planos de negócios ao júri do Prémio África num evento em Acra, no Gana. O vencedor receberá 25 000 mil libras, e o segundo, terceiro e quarto classificados receberão 10 000 mil libras cada. Um prémio adicional do Melhor Inovador no valor de 5 000 mil libras será atribuído ao inovador mais promissor.

As alterações climáticas estão a ter um impacto mais severo em África do que noutros continentes, onde a produção agrícola, a segurança alimentar e os recursos hídricos estão a ser comprometidos e agravados por uma fraca capacidade adaptativa. Este ano, 11 das nossas inovações estão a contribuir diretamente para a sustentabilidade ambiental“, disse Rebecca Enonchong Freng, fundadora e diretora executiva da AppsTech e membro de júri do Prémio África.

Os inovadores pré-selecionados deste ano juntam-se à rede de 134 ex-participantes do Prémio África da Academia, que inclui inovadores que alcançaram sucesso comercial e impacto social significativo em todo o continente após a sua participação no Prémio, tais como a vencedora de 2022 Norah Magero, e a sua solução de refrigerador portátil movido a energia solar para o transporte de medicamentos.

Prevê-se que os ex-participantes do Prémio África tenham impacto em mais de três milhões de pessoas nos próximos cinco anos, e já criaram 3.585 empregos – incluindo 1.766 para mulheres e 211 para pessoas com deficiência – e angariaram mais os 14 milhões de dólares em subvenções e financiamento de equidade, contribuindo diretamente para 12 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

A lista de 2023 apresenta várias inovações em matéria de água, incluindo um sistema de monitoria e controlo da qualidade da água em tempo real, uma solução de drenagem de ácidos das minas para reciclar água contaminada para consumo humano, e um sistema de gestão de água para evitar o bombeamento e secagem em excesso de furos de água de aquíferos.

As soluções energéticas e ambientais também incluem fortemente um pacote de energia com baterias recicladas de computadores portáteis para fazer face a fontes de energia não fiáveis, motocicletas convertidas que funcionam com baterias, uma bicicleta de carga elétrica com um refrigerador alimentado por baterias para reduzir as perdas pós-colheita, um sistema para ajudar a preparar os resíduos para a reciclagem, uma máquina móvel para criar blocos de terra comprimido interligados, e um fogão de cozinha ecológico que absorve carbono preto.

Além disso, vários empreendedores pré-selecionados foram pioneiros em soluções de saúde, segurança e educação, com um dispositivo portátil de histeroscopia para exame simples do útero, um sistema de monitoria remota de cuidados de saúde que regista e transmite dados sobre os pacientes, um probiótico multiformes para melhorar a saúde intestinal das galinhas, uma rede local de resgate que liga os vizinhos à polícia e uma ferramenta de aprendizagem robótica para crianças.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui