Sistema de gestão de informação de saúde ganha maior eficácia

472

Recentemente foi garantido que, o Ministério da Saúde está com projectos a nível de tecnologias de informação, e pelos vistos já está a cumprir alguns deles, isto porque, o sistema de gestão de informação de saúde está a ganhar maior eficácia. A gestão de dados a nível do Serviço Nacional de Saúde está a dispor de maior eficácia, confiabilidade e fidelidade, desde meados deste ano, com a implementação, em todo o país, do Sistema de Informação Sanitária Municipal-Versão 2 (DHIS2).

Segundo o Engº Victor Luteganya, da Organização Mundial da Saúde (OMS), que é um dos coordenadores do projecto, explicou que o sistema, já em experiência nalguns programas e instituições do Ministério da Saúde, está a facilitar a inserção de dados e dá maior comodidade à assistência técnica. O responsável do projecto salientou ainda que, o DHIS2 é uma plataforma de informação que possui recursos avançados para a visualização de dados, como mapas, tabelas dinâmicas, gráficos e painéis, que permitem explorar e traduzir o significado de dados.

O software criado para a gestão do sistema está configurado para a inserção de dados pelos níveis nacional, provincial, municipal e por unidade sanitária. Neste momento, o aplicativo, que vai ser estendido faseadamente a todos os programas de Saúde Pública, já é usado a nível do Programa Alargado de Vacinação (PAV), depois de um processo de formação e implementação nas 18 províncias.Outros benefíciosO coordenador do projecto avançou que o sistema melhora a qualidade de dados, uma vez que disponibiliza, de forma oportuna, a informação do stock das vacinas e materiais nas unidades sanitárias, para melhorar a gestão do stock de vacinas nestes níveis, e optimiza o uso de recurso financeiros na compra e gestão das mesmas.A disponibilidade de referência geográfica das unidades de saúde permite a identificação das mesmas com maior número de crianças faltosas. Portanto, melhora as estratégias, planificação e uso mais eficaz de recursos disponíveis para recuperar os menores não abrangidos.