Telegram reage e nega as acusações de falta de segurança do WhatsApp e do seu CEO

1528

A guerra entre o WhatsApp e o Telegram escalou nos últimos dias com acusações graves. O CEO do serviço da Meta apontou o dedo à proposta de Pavel Durov e acusou-a de espiar para a Rússia.

As publicações de Will Cathcart, o CEO do WhatsApp, surgiram esta semana no Twitter e têm por base um artigo da revista Wired. São várias as acusações de que é simples à Rússia e a outros países acederem às mensagens, colocando também em causa a segurança das conversas.

A resposta do Telegram não demorou a surgir, numa publicação realizada no telegraph. Em 9 pontos apresentados em detalhe, todas as acusações e provas, tanto da Wired como do CEO do WhatsApp, são decompostas e explicadas.

O Telegram revela que o artigo da Wired inclui alguns erros graves como resultado de ignorar comentários do Telegram e de especialistas entrevistados. Por exemplo, as alegações de que o poderia ter fornecido dados às autoridades da Rússia são baseadas em ignorar deliberadamente as evidências de que o telefone da ativista russa – e não a sua atividade no Telegram – foi acedido.

MAIS: Telegram Premium. Conheça as novidades da versão paga do aplicativo

Além disso, mais dois erros estão aparentemente presentes no artigo. A alegação de que alguém poderia identificar com precisão a localização de um utilizador através da API do Telegram está incorreta. Isso nunca foi possível, como afirma o responsável do WhatsApp.

A alegação de que a criptografia do Telegram não foi auditada também é falsa. Qualquer um pode verificar independentemente a integridade e a implementação da criptografia do serviço usando o código-fonte aberto, protocolo de criptografia aberto e compilações reproduzíveis. Isso foi até já realizado, sendo dado como exemplo a Universidade de Udine, em Itália.

Este parece ser um processo que ainda não estará terminado e mais informações vão surgir no futuro imediato. O Telegram vai atualizar a sua publicação e decompor mais algumas das provas apresentadas e que o WhatsApp aproveitou para apontar o dedo à sua concorrente direta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui