12 startups africanas para acompanhar em 2019

991

Nos últimos anos, centenas de startups inspiradoras e inovadoras, impulsionadas pela tecnologia tem surgido em África, que agitam o status quo em todo o continente africano. Existem muitas startups de tecnologia a nível do nosso continente, a equipe do Disrupt Africa partilhou as 12 startups africanas a ter em conta em 2019.

Angola está representada pela Appy Saúde. Veja a lista na integra:

Shezlong

A startup egípcia Shezlong preenche as caixas de interrupção e impacto, com sua missão de abordar o estigma no norte da África em torno dos problemas de saúde mental. A empresa opera uma plataforma de saúde mental online que permite aos pacientes conectar-se a terapeutas licenciados por meio de vídeo no smartphone ou através de uma pagina web. Embora tenha existido por alguns anos, a Shezlong teve um financiamento muito forte em 2018, arrecadando cerca de 350.000 USD; aceite no pelo programa 500 Startups accelerator; e seleccionado para participar da Cúpula Anual dos Investidores de África. Espera-se que a startup comece a funcionar plenamente em 2019.

Elves

O aplicativo de assistente virtual do Egipto, viu a actividade acelerar nos últimos 18 meses, o app Elves aproveita a inteligência humana para aprimorar o aprendizado de máquina e assim construit a Inteligência Artificial; com a plataforma baseada em bate-papo, permitindo que os usuários conversem com um “super-assistente humano” para fazer qualquer coisa, em qualquer lugar do mundo, gratuitamente. A startup arrecadou cerca de 2 milhões de USD em financiamento inicial até o final do ano 2017, dando-lhe um grande impulso para começar a trabalhar em 2018, o que ela fez, expandindo a sua actividade para os EUA. A Elves abriu um escritório em Los Angeles com uma equipe inicial de seis pessoas, que está focada exclusivamente em conquistar o mercado dos EUA.

Halan

O transporte é um ponto importante de atrito em muitas cidades africanas, e há startups espalhadas por todo o continente tentando lidar com a logística de viagens em seus mercados locais. Um deles que se destacou é o Halan do Egipto. Fundada em 2017, a Halan é uma aplicação de logística de motocicletas e tuk tuks, que já facilitou mais de três milhões de viagens em várias províncias do Egipto e do Sudão. A startup garantiu uma rodada de financiamento “multi-milionária” em 2018, de empresas como a Battery Road Digital Holdings de Singapura e a Algebra Ventures do Egipto, com o objectivo de continuar com a expansão para outros mercados.

Nala

A primeira escolha na África Oriental é o Nala da Tanzânia, um aplicativo de dinheiro móvel simplificado que permite aos usuários fazer transacções mais rápidas, mais inteligentes e seguras sem uma conexão com a Internet.

Começando a vida como um projecto paralelo da Universidade de Stanford e passando para pesquisa e operações em campo na Tanzânia em 2017, o ano passado viu o progresso da Nala acelerar rapidamente, recebeu financiamento do DFS Lab; venceu o Ecobank Fintech Challenge; levou para casa o Prémio Apps África de Inovação Disruptiva; e foi nomeado vencedor do Seedstars Tanzânia em Dezembro.

Taimba

O espaço agro-tecnológico em África está a crescer, com o número de startups a operar no mercado com um crescimento estimado de 110% nos últimos dois anos e mais de 19 milhões de USD investidos no sector no mesmo período, de acordo com o relatório Agrinnovating for Africa.

Um dos empreendimentos agro-tecnológicos de qualidade emergentes no continente é o Taimba, do Quénia, que opera uma plataforma sem dinheiro baseada em dispositivos móveis entre empresas conectando fazendeiros a retalho, com o objectivo de melhorar a cadeia de fornecimento, bem como regular o preço dos produtos agrícolas. Lançado em meados de 2017, a startup já chamou a atenção das pessoas, e foi nomeada uma das três vencedoras do prémio Food + City Challenge, oferecido pelo SXSW; e ganhou o primeiro Disrupt Africa Live Pitch Competition.

UTU

A startup de inteligência artificial do Quénia denominada UTU, tendo chamado atenção do mercado (e dos investidores) em 2018, e prevê-se grandes avanços para o ano de 2019. A UTU que é a empresa por trás do aplicativo socialmente movido de táxi e transporte Maramoja, desenvolveu um algoritmo optimizado para confiança que utiliza inovações proprietárias nos campos da tecnologia AI e de contabilidade distribuída.

A startup aumentou o financiamento inicial em 2018, primeiro angariou uma quantia não revelada de financiamento da aceleradora Zeroth, sediada em Hong Kong, em Abril; seguido por 250.000 USD da empresa Ventures, baseada na Bulgária, depois de participar de sua Incubadora da Frota Estelar para startups de Blockchain. A UTU fechou o ano com o anúncio de que acrescentou a empresa de incubadora e de capital de risco DEEPCORE, sediada em Tóquio, à sua lista de investidores.

FinChatBot

Este foi um ano interessante para a startup FinChatBot da África do Sul. Fundada em 2016, a FinChatBot desenvolve chatbots para ajudar os provedores de serviços financeiros a adquirir e reter clientes por meio de conversas com inteligência artificial (IA).

Embora o plano inicial fosse expandir para vários mercados de uma só vez, com revendedores em solo no Marrocos e no Quénia, a empresa decidiu neste ano se concentrar mais em seu mercado doméstico da África do Sul – e teve um ano forte como resultado. A startup concluiu o ano de 2018 com um estrondo, anunciando que havia levantado cerca de 563.000 de USD em financiamento da empresa local de capital de risco Kalon Venture Partners e da Compass Capital, com sede na Ilha Maurícias, para continuar seu rápido crescimento e expandir a sua linha de clientes .

Appy Saúde

A startup angolana Appy Saude está a transformar o acesso a cuidados de saúde no país, através da sua aplicação de cuidados de saúde. Lançado em 2017, o Appy Saude permite que os usuários acessem informações como serviços oferecidos, especialidades médicas cobertas, seguro aceito, bem como os detalhes de contacto das mais de 2.000 instalações médicas listadas, localizadas em toda a extensão de Angola.

A startup esteve focada no lançamento de novos recursos ao longo de 2018, com os usuários agora capazes de encontrar, pesquisar e marcar consultas médicas, bem como localizar e reservar produtos médicos para colecta. Também fez parceria com a maior operadora de telefonia móvel do país, a Unitel, para permitir que os 12 milhões de usuários da operadora acessem o Appy Saúde gratuitamente.

Vizibiliti Insight

A startup sul africana denominada Vizibiliti Insight tem visto algumas ações importantes em 2018, e espera-se que o entusiasmo continue em 2019. A startup usa a inteligência artificial para ajudar o sector de propriedades comerciais a pré seleccionar os inquilinos e prever as chances de eles entrarem em divida.

O Vizibiliti Insight foi escolhida para participar do evento Viva Tech realizado em Paris em Maio e venceu, o vencedor geral do desafio Transformação da experiência do cliente por meio do desafio Digital, ganhando o prémio em dinheiro e um convite para o escritório da Verizon em Nova York para colaborar com a empresa.

CowryWise

A startup de tecnologia financeira nigeriana CowryWise foi lançada em 2017, e tem atraído a atenção das pessoas desde então, tanto dentro da África quanto no Vale do Silício.

A CowryWise opera um serviço automatizado seguro que ajuda os usuários a economizar dinheiro e desfrutar de altos retornos de investimentos sem risco na Nigéria com taxas zero. Até agora, processou mais de 1,5 milhão de USD em economia para seus clientes.

CowTribe

A CowTribe do Gana existe há alguns anos, mas as coisas aumentaram para a startup em 2018 e esperamos ver mais dela em 2019.

Lançada em 2016, a Cowtribe obtém e agrega vacinas de animais genuínas e acessíveis de grandes fornecedores e trabalha através de uma rede de agentes qualificados para entregá-los aos agricultores. As vacinas podem ser encomendadas via USSD, texto e telefone, bem como por agentes comunitários. Tivemos o prazer de interagir com a equipe da CowTribe durante o Seedstars Africa Summit 2018.

KudiGO

A KudiGO fornece um mecanismo integrado a retalho, pagamentos, contabilidade e análise para o varejo, oferecendo uma solução completa para as empresas receberem pagamentos, rastrear inventários e construir modelos financeiros sólidos baseados em tendências passada.

Depois de um ano experimental público, a startup foi lançada oficialmente em 2018 e começou a funcionar. Não só a KudiGO já está a se expandir para mais mercados africanos, mas em Novembro a startup disse que esta quase a angariar financiamento de 300.000 USD para facilitar a expansão, ao mesmo tempo em que assegura parcerias importantes.

Veja o artigo completo, aqui.