Benin cancelou o imposto sobre as redes sociais

444

Recentemente o governo do Benin introduziu uma taxa sobre as redes sociais naquele pais, a taxa obrigava os usuários a pagar cerca de 0,008 USD equivalente em USD por MegaByte de dados usados ​​em aplicativos como Facebook, Twitter, Skype, Instagram e muitos outros. Mas parece que agora o governo do Benin decidiu recuar na sua decisão, e isso está a ser descrito como uma surpresa agradável, já que o governo decidiu retirar o imposto sobre mídia social.

O crédito deve ser dado para os habitantes do Benin, por terem saído às ruas e protestado contra as taxas de mídia social desde o dia em que foram anunciadas. O imposto sobre mídia social, logicamente, significava que os custos da Internet móvel se tornavam mais caros, já que era uma taxa a ser adicionada ao custo de compra de pacotes de dados para acessar a Internet.

Imposto sobre sobre as redes sociais em toda a África?

No entanto, assim como observamos em outros países do continente Africano, como Uganda, é possível evitar o pagamento da taxa de rede social. No Benim, alguns cidadãos recorreram ao uso de Redes Privadas Virtuais (VPN) para falsificar sua localização e acessar plataformas de mídia social sem serem solicitados a pagar o imposto.O Quénia também está a analisar  as perspectivas de introduzir uma forma de imposto sobre o acesso à Internet, enquanto em Uganda, o imposto sobre as redes sociais persiste até hoje.

Na vizinha Tanzânia, os blogueiros, e efectivamente qualquer um que publique conteúdo na Internet, têm de pagar uma taxa anual que a maioria do país definitivamente não pode pagar. Na maioria dos casos, essas taxas e impostos são apenas uma protecção para os líderes políticos em exercício restringirem o discurso daqueles que falam contra eles.