China: smartphone é o controle remoto da vida das pessoas

568

China é um país onde se faz tudo por smartphone. Com uma população de 1.3 biliões de habitantes, cerca de 710 milhões têm acesso à Intenet e 656 milhões utilizam smartfones.

Nas China as pessoas não precisaram primeiro passar pela utilização de PCs, logo passaram nos smartphones. Com o WeChat que permite que o usuário faça tudo de dentro do aplicativo. Ou seja, em vez de ter WhatsApp, Facebook, Uber, Airbnb, app de banco, etc, você usa apenas o WeChat.Hoje o WeChat faz todas as funções que os aplicativos citados acima fazem. Isso é só em termos de redes sociais, pois na realidade a plataforma tem mil e uma funções e com ele você pode fazer novos amigos, comprar e vender, receber e enviar dinheiro, fazer saque da sua conta bancária e tantas outras coisas tudo isso apenas com um smartphone.

A China é um exemplo do verdadeiro O2O, online to offline. Didi, por exemplo, o Uber chinês, tem postos de gasolina e oficinas para atender seus motoristas parceiros. Tujia, o Airbnb chinês tem sua própria rede de locais. A diferença é cultural: no Vale do Silício as empresas Internet ficam na camada online e deixam o offline para outros. Na China, pela competição feroz, verticalizam, para ser mais difícil de copiar.Os códigos QR, o encontro de desconhecidos e outras funções são replicadas em muitos aplicativos. A China segue uma tendência muito oposta à do ocidente: se por aqui a moda é desmontar apps em outros menores e mais específicos, por lá todo app agrega mais e mais funções.A lista de coisas que os chineses fazem através do aplicativo WeChat:

  • Pagar contas e gerir as suas contas bancárias.Pedir comida para entrega em casa (restaurantes e supermercados).Comprar desde roupas a ingressos de cinema.Pedir um táxi.Agendar consultas médicas.Postar em mídia social.Enviar dinheiro para amigos/fornecedores.Fazer check-in para voos.Ler as notícias de jornais e revistas.

O vídeo a seguir mostra exemplos fantásticos de uso de smartphones na China. E dá-nos uma realidade muito real. Todos pagamentos são via QR e smartphones, sem cartões de crédito ou mesmo dinheiro vivo. O nosso futuro? Talvez mais parecido com a China, com cada pessoa a usar o seu smartphone para realizar pagamentos.