Estudo confirma que angolanos preferem serviços de protecção de dados externos

1
2114

A Multipla realizou um estudo recentemente em que 64 por cento dos utilizadores angolanos confirmaram que preferem contratar os “serviços de cloud” a empresas internacionais, casos da Google, AWS e Microsoft, apesar de haver empresas nacionais como a ITA, Múltipla e MSTelcom, que proporcionam o mesmo serviço com altos índices de fiabilidade e segurança digital.

Os autores do estudo “Cloud Service Survey 2020”, não indicam os motivos que poderão estar na base da decisão dos inquiridos, mas especialistas do sector identificam os preços baixos praticados pelas empresas de dimensão internacional como o factor principal. Estimam também que estas tarifas muito terão a ver com o facto dessas multinacionais operarem em condições vantajosas – ambientes fiscais favoráveis, abundante força de trabalho qualificada disponível, menor custo de aquisição de equipamentos, quando comparadas com os provedores angolanos.

Já do ponto de vista do utilizador, o estudo revelou que as “questões de segurança e privacidade” são as que mais impacto têm, não só na hora de escolher um provedor, mas também de decidir contratar serviços de cloud.  A “nuvem” guarda a informação dos usuários em sistemas externos à empresa ou instituição que a contracta, ao contrário dos Data Centers, onde os dados não saem do controlo dos seus proprietários. Esta característica tem gerado discussões sobre se esta tecnologia é ou não segura.

O estudo “Cloud Service Survey 2020” realizada pela Multipla aponta que mais de 90 por cento dos participantes acredita que a “nuvem” é uma “ferramenta para o desenvolvimento económico de Angola”. Desenvolvimento que os analistas do sector acreditam que poderia ser ainda mais impactante se os provedores nacionais tivessem maior protagonismo.

Os analistas da Multipla confirmam que apesar destas questões, este mercado ainda pequeno tem um potencial muito grande, para quem “a gestão e operação dos dados será cada vez mais importante para o desempenho e aumento de “performance”  das empresas, necessitando, por isso, criar a “função de responsável de dados informáticos”.

O estudo “Cloud Service Survey 2020” refere outros dados, como a baixa incidência de serviços de cloud a nível do continente. Concentram-se sobretudo na África do Sul, na Cidade do Cabo e Joanesburgo. “As regiões com maiores níveis de penetração de serviços também têm os maiores taxas de conectividade, densidade de cabos submarinos, Data Center e pontos de troca de tráfego”, explica.

1 COMENTÁRIO

  1. Infelizmente é uma realidade, mas atendendo a situação das big datas e do plano de desenvolvimento 2030 precisamos investir na nossa base de dados big data ao, por motivos de não sermos cobaias tecnológicos…

    Sem mais assuntos obrigado

    Artigo do ano top

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here