Falhas de rede e preços altos “enfurecem” os clientes dos serviços de telefonia móvel em Angola

1663

As frequentes falhas de rede e o alto custo dos planos oferecidos têm sido uma das principais “dores de cabeçados mais de 17 milhões de assinantes de telefonia móvel em Angola, pelo que está a desafiar as operadoras a melhorarem os serviços prestados aos utentes.

Por exemplo, o preço médio da recarga da Unitel ronda os 600 kwanzas (considerando as recargas de 350, 500 e 1000 kwanzas), isto é, sem considerar os planos diários, semanais e mensais.

Já por outro lado a Movicel, tendo em conta apenas as recargas de 500 e 1000 kwanzas, pratica um preço médio de Kz 750 em recargas normais, enquanto a Africell oferece uma tarifa média de 600 kwanzas (com o valor do saldo a variar de 200 para 1000 kwanzas).

MAIS: Conheça a quota de mercado de telefonia móvel de Angola do ano 2021

A última actualização do preço da Unidade de Taxa de Telecomunicações (UTT) no país aconteceu em Novembro de 2016, passando de 7.2 para 10 kwanzas/UTT, aprovado pelo Conselho de Ministros, elevando o o preço da recarga telefónica de 125 UTT para 1.250 kwanzas (um aumento de 38,88 por cento), depois de mais de 10 anos a ser comercializada a Kz 900.

Com a entrada da Africell como a quarta operadora, em Abril último, no país, a sociedade civil angolana ainda reclama de sucessivos corte das chamadas, sinal de rede ocupada sem justificação e o envio de mensagens em horas impróprias como os constrangimentos mais visíveis que embaraçam o dia-a-dia dos clientes. Além desses todas situações críticas, a “evaporação/gasto do saldo em pouco tempo”, a indisponibilidade do número do telemóvel, o fraco sinal de internet, bem como o excessivo tempo de espera no atendimento dos clientes que afluem às lojas das operadoras são outros dos factores reclamados pelos utentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui