Nigéria levanta “temporariamente” a proibição do Twitter no país

0
1929

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, ordenou hoje o levantamento da proibição das operações do Twitter na Nigéria, mas apenas se forem cumpridas certas condições, incluindo a utilização e registo “positivos” da rede social na Nigéria.

Em alusão ao Dia da Independência daquele país, com mais de 200 milhões de habitantes, Buhari informou que uma equipa governamental tem alcançado “compromissos alargados” com o Twitter e, na sequência destes, deu “ordem para que a suspensão seja levantada, mas apenas se as condições forem cumpridas e permitam aos nossos cidadãos continuarem a utilizar a plataforma para negócios e compromissos positivos“.

A Nigéria suspendeu a operação do Twitter no 04 de junho último, onde alegou que a decisão era devido a uma “utilização persistente da plataforma para atividades suscetíveis de minar a existência empresarial da Nigéria“.

Essa decisão do Presidente daquele país desencadeou muitas críticas e preocupações de que Buhari poderia estar a seguir o mesmo caminho de repressão da liberdade de expressão que se verificou nos anos 80 durante o seu regime como governante militar da Nigéria.

A proibição foi anunciada pouco depois de a rede social ter apagado uma postagem do chefe de Estado no qual ameaçava tratar os separatistas “na língua” que iriam “compreender“, ainda que posição oficial nigeriana tenha negado que a postagem apagada tivesse sido a razão da decisão.

Último twitter de Buhari na rede social no país

Nessa mesma publicação, Buhari condenava ataques a edifícios no sudeste do país – esquadras, prisões e gabinetes da Comissão Eleitoral – pelos quais o governo culpava o Povo Indígena de Biafra (IPOB), um grupo que persegue a secessão dessa região da Nigéria.

MAIS: Governo da Nigéria anuncia suspensão do Twitter por tempo indeterminado

No seu tweet, o Presidente, que serviu como general na guerra civil de 1967-70 contra as províncias secessionistas do Biafra, disse que “muitos dos que hoje estão a agir mal são demasiado jovens para terem consciência da destruição e perda de vidas que ocorreram durante a guerra”.

Aqueles de nós que estiveram no campo (de batalha) durante trinta meses, que vivemos a guerra, vamos lidar com eles na linguagem que eles entendem“, acrescentou Buhari.

Muitos utilizadores do Twitter denunciaram na altura a publicação e criticaram o Presidente por comparar eventos violentos recentes a um conflito armado que matou cerca de 100.000 militares em combate e entre 500.000 e dois milhões de civis de fome.

Em sua defesa, a rede social explicou que o tweet do chefe de Estado violava as suas regras, nomeadamente publicações que incitam ou promovem a violência contra um indivíduo ou um grupo de pessoas, pelo que o tinha apagado.

A decisão de Abuja de suspender a operação do Twitter na Nigéria na sequência do apagamento do tweet do Presidente mostra que o governo de Buhari “prefere o autoritarismo à democracia“, afirmou Idayat Hassan, ativista do Centro para a Democracia e o Desenvolvimento da África Ocidental, citado pela agência Associated Press.

MAIS: Nigéria defende que as redes sociais devem se registar no país para continuar as operações

Muitos nigerianos, na sua maioria jovens, têm encontrado uma forma de contornar a proibição, recorrendo a aplicações de redes privadas virtuais (VPN), mas muitas entidades empresariais – algumas de que a economia nigeriana depende – têm cumprido a diretiva.

As restrições do acesso às telecomunicações têm tido um custo económico para o país mais populoso de África, com mais de 64 milhões de jovens. De acordo com a NetBlocks, que estuda o custo dos bloqueios no acesso à Internet em todo o mundo, a Nigéria pode estar a perder 103,1 milhões de nairas (cerca de 150 milhões de kwanzas) em cada hora de bloqueio, que se prolonga há mais de 100 dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here