O impacto das avarias dos cabos submarinos em Angola

0
5964
Este artigo foi enviado por Darwin Costa . Quer partilhar conhecimento com os demais seguidores do MenosFios? Siga os passos.

Recentemente aconteceu uma avarias nos cabos submarinos SAT-3 e WACS que deixou a Internet lenta em Angola. Propriamente no  dia 16/01/2020 foram reportadas várias interrupções a nível de serviços de Internet em estações submarinas e cabos submarinos ao longo da Costa Oeste Africana. Países como Mauritânia, Costa do Marfim, Gabão Congo e Angola foram afectados.

Cada país teve um “Hit Ratio”, ou seja, “impacto” com maior ou menor criticidade. No período da manhã em Angola notou-se com maior criticidade pois aparentemente tanto o SAT-3 e o WACS tiveram problemas

O que realmente aconteceu?

Dando sequência a nota introdutória e olhando de fora do país, conseguiu-se notar quem por volta das 9:46 da manhã no dia 16/01/2020 só Gabão e Congo países mais próximos de Angola e localizados na Costa Oeste Africana encontravam-se  afectados conforme ilustrado na imagem abaixo.

Imagem 1.0 – Países afectados pelo corte nos cabos submarinos

Ao longo do dia após mais monitorização utilizando a “Oracle Intelligence Tool” foi possível ver na imagem 1.1 (apanhado feito as 11:15) que a Costa do Marfim estava com impacto de 0.3%, Angola já aparecia no mapa como um dos países afectados e com impacto de 0.6%, e o aumentou a criticidade no Congo e Gabão (Em comparação com a imagem anterior).

Imagem 1.1 – Angola afectado

Outro apanhado feito por volta das 12:23, demonstra que o problema alastrou-se e a Namíbia passou a fazer parte dos países afectados ao longo da Costa com um “hit ratio”, ou seja, impacto de 4.7%, menos 4.1% na mesma hora que Angola na imagem 1.1.

Imagem 1.3 – por voltas das 12:23 o impacto visto em Angola aumentou exponencialmente e saiu de 0,6% para 7%.
Imagem 1.2 – Demostra um problema gravíssimo no Congo com 27% de criticidade (apanhado feito as 13:03).

Suposições

  • SAT-3 corte no Sistema Submarino;
  • WACS problemas no sistema submarino? Problemas em estações submarinas?
  • Nitidamente que o Congo aparenta ter um problema com maior impacto em relação aos outros países na região;

Problemas em grande Escala

Sabendo que o país conta com (3) sistemas submarinos onde (1) termina em Cacuaco e é gerido pela Angola Telecom e os outros (2) terminam em Sangano e são geridos pela Angola Cables é “CRITICO” olharmos para os seguintes pontos:

  • É fundamental a entrada de um novo cabo submarino em Angola e que o mesmo termine em Cacuaco / Angola Telecom (exemplos: ACE, SIMBA e ou EQUIANO);
  • A resposta ao ponto (2): Neste momento Sangano esta bem servido em termos de amarração de sistemas submarinos. Problema são os caminhos terrestres de Luanda até Sangano que apesar de serem fibras redundantes o caminho / percurso é o mesmo.

Imaginando que haja um problema grave na barra do Kwanza – será impossível chegar-se até o WACS & SACS.

  • Sequência do ponto (2): Logo se um dos cabos acima amarra-se em Cacuaco teríamos total redundância a nível de sistemas submarinos levando em consideração o “tempo de vida útil” do SAT-3 em relação os anos remanescentes para se chegar ao nível obsoleto.

Aspectos a se ter em conta: 

  1. O tempo de vida útil de um sistema submarino vai de 20 a 25 anos;
  2. O SAT-3/WASC/SAFE foi implementado em 2001 – logo são 19 anos de utilização actual e de aproximadamente de 6 anos de tempo de vida útil remanescente. “E todos nós sabemos como o tempo VOA”.

Recomendações:

  • Entrada de um novo sistema submarino (prioridade altíssima);
  • Alojamento de informação e dados “LOCALMENTE” (prioridade altíssima);
  • Ligações terrestres aos países vizinhos Sul, Este e Norte (prioridade altíssima);
  • Utilização do SACS por parte de operadores regionais a Sul de Angola (Namíbia e África do Sul);

Notas: 

  1. Relativamente ao ponto número (2) já existe serviços de Cloud locais como: AZCloud da Multipla, ACloud Angola Cables, ITACloud; Mstelcom Cloud etc..
  2. Dado sequência ao ponto acima é importante mencionar que até negócios de Startups que tenham a sua informação e ou sites alojados no exterior possam estar com problemas para poder aceder a sua informação;

Não se pode negar que problemas desta dimensão já podem ser evitados, que as recomendações acima mencionadas sejam levadas em consideração pelos tomadores de decisão bem como as empresas que operam no mercado Angolano para bem servir os utilizadores finais.

Traceroute local:

Cliente Tv Cabo em Angola para a Europa (Lisboa):

Caminho >>> Angola – Brasil – Estados Unidos – Europa

traceroute to 185.1.131.6 (185.1.131.6), 64 hops max, 52 byte packets

  1.    192.168.100.1 (192.168.100.1)  2.908 ms  1.032 ms  0.890 ms
  2. lad-as1.tvcabo.ao (41.205.63.254)  17.879 ms  3.662 ms  3.441 ms
  3. lad-cr1.tvcabo.ao (196.202.252.5)  3.037 ms  4.615 ms  4.445 ms
  4. 10.10.10.18 (10.10.10.18)  4.458 ms  8.326 ms  4.186 ms
  5. 196.202.252.25 (196.202.252.25)  5.104 ms  4.230 ms  4.778 ms
  6. lad-cr1.tvcabo.ao (196.202.252.1)  6.512 ms  13.140 ms  5.491 ms
  7. 197.149.148.69 (197.149.148.69)  58.626 ms  58.926 ms  58.316 ms
  8. pe2-nc021.ang.lua.as37468.angolacables.ao (197.149.151.4)  393.166 ms
  9. pe2-nc022.ang.lua.as37468.angolacables.ao (197.149.151.20)  426.863 ms  435.989 ms
  10. pe2-nc025.ang.sgn.as37468.angolacables.ao (197.149.149.154)  60.172 ms
  11. pe2-nc024.ang.sgn.as37468.angolacables.ao (197.149.149.150)  65.507 ms  96.327 ms (Sangano)
  12. 170.238.232.149 (170.238.232.149)  166.969 ms
  13. 170.238.232.145 (170.238.232.145)  121.830 ms
  14. 170.238.232.33 (170.238.232.33)  186.249 ms
  15. 170.238.232.37 (170.238.232.37)  182.672 ms  182.982 ms (Brasil)
  16. 12  170.238.232.42 (170.238.232.42)  386.638 ms
  17. pe1-nce010.uk.lon.as37468.angolacables.ao (170.238.232.46)  502.372 ms  428.830 ms (Londres)
  18. pe1-nce015.ger.fnk.as37468.angolacables.ao (185.148.112.86)  297.910 ms * *
  19. pe1-nce014.fra.mrs.as37468.angolacables.ao (185.148.112.69)  316.465 ms  356.203 ms
  20. pe1-nce013.fra.mrs.as37468.angolacables.ao (185.148.112.65)  427.225 ms
  21. pe1-nce014.esp.mdr.as37468.angolacables.ao (185.148.112.53)  484.939 ms  423.628 ms
  22. pe1-nce013.esp.mdr.as37468.angolacables.ao (185.148.112.49)  381.010 ms
  23. 16  pe1-nce014.pt.lis.as37468.angolacables.ao (185.148.112.29)  539.727 ms
  24. pe1-nce015.pt.lis.as37468.angolacables.ao (185.148.112.33)  438.773 ms
  25. pe1-nce014.pt.lis.as37468.angolacables.ao (185.148.112.29)  403.032 ms(Lisboa)

O que se fazia em ~100ms com os problemas actuais é feito em ~403ms Luanda – Lisboa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here