Tecnologia 5G e a segurança nos aeroportos

0
755

Mesmo que você não seja um passageiro frequente, provavelmente já ouviu falar que a Federal Aviation Administration (FAA) dos Estados Unidos da América e várias companhias aéreas estão a alegar que a banda C da tecnologia 5G recentemente aprovada da AT&T e da Verizon Wireless interferirá perigosamente nas decolagens e aterrissagens de aviões.

Esta nova tecnologia 5G será perigoso? Pode derrubar um avião do céu? Aqui está o que sabemos:

Existem três tipos básicos de 5G : 

  • Onda milimétrica (mmWave): Muito rápida, até 1 Gigabit por segundo (Gbps), mas tem um alcance extremamente curto.
  • Midband: Possui velocidades em torno de 100 Megabit por segundo (Mbps) e alcance 4G.
  • Banda baixa: Só vem com velocidades em torno de 20Mbps, mas tem um alcance de dezenas de quilômetros.

O que preocupa a FAA e as companhias aéreas é uma nova variação de banda média: C-Band 5G.

O pedaço do espectro conhecido como C-Band fica entre 3,7 GHz e 4,2 GHz e é capaz de velocidades na faixa de 200-800Mbps. No passado, era usado para provedores de vídeo via satélite e serviços de telefonia via satélite. A AT&T e a Verizon compraram a maior parte desse espectro por USD 68 bilhões combinados. Você não gasta esse tipo de dinheiro a menos que planeje usá-lo.

Nota rápida: não há evidências por trás dos rumores de que outros tipos de 5G  causem problemas de saúde.

Qual é o problema com C-Band 5G e aviões?

A FAA alertou as companhias aéreas que esses sinais podem interferir em alguns altímetros que os pilotos usam para pousar em condições de baixa visibilidade.

De acordo com um relatório da  Radio Technical Commission for Aeronautics (RTCA) – uma organização técnica sem fins lucrativos usada por autoridades reguladoras do governo e da indústria – “esta faixa de frequência pode introduzir interferência prejudicial de radiofrequência (RF) em altímetros de radar que actualmente operam na banda aeronáutica de 4,2 a 4,4 GHz alocada globalmente. Os altímetros de radar são implantados em dezenas de milhares de… aeronaves… para dar suporte a várias funções críticas de segurança da vida das aeronaves em várias fases do voo.

MAIS: AT&T e Verizon negam novo pedido de adiamento dos EUA para iniciar 5G

A preocupação específica é que os rádios dos altímetros não filtrem os sinais de outra parte do espectro, também conhecidos como emissões espúrias. Em suma, a interferência do C-Band 5G impedirá que os altímetros funcionem correctamente.

Shrihari Pandit, cofundador e CEO do provedor de internet  Stealth Communications, com sede em Nova York, disse: “As aeronaves menores e mais antigas não têm um filtro que permita que elas recebam apenas os sinais designados para os seus sistemas”.

Pandit avançou ainda que, “Altímetros de radar são alocados de 4,2 a 4,4 GHz e são baseados em uma modulação de radar conhecida como Modulação de Frequência Linear… deriva para fora ou para as bordas da banda de 4,2 e 4,4 GHz.”

Isso, combinado com a alta sensibilidade do receptor dos altímetros, significa que eles são muito suscetíveis a interferências. Para piorar ainda mais as coisas, não há, repito,  não há padrões técnicos para altímetros, disse Pandit.

A FAA disse em um  Boletim de Aeronavegabilidade Especial  que as companhias aéreas e os pilotos devem “estar preparados para a possibilidade de que a interferência de transmissores 5G e outras tecnologias possam causar mau funcionamento de certos equipamentos de segurança”. Essa “interferência 5G com o rádio altímetro da aeronave pode impedir que os sistemas de motores e freios passem para o modo de pouso, o que pode impedir que uma aeronave pare na pista”.

A tecnologia 5G em aviões é perigoso?

A Comissão Federal de Comunicações (FCC)  concluiu em 2020  que estudos que alertam sobre esse perigo “não demonstraram que interferência prejudicial provavelmente resultaria em cenários razoáveis” ou mesmo “cenários razoavelmente previsíveis”.

Tom Wheeler, membro visitante da Brookings Institution e ex-diretor da FCC, disse em um artigo que não acha que haja um problema técnico real (o artigo traz o título bastante alarmante: “O 5G significará aviões a cair do céu? “).

MAIS: Manuel Homem: É preciso quadros competentes na utilização da rede 5G

A resposta a longo prazo para esse problema é “melhorar a resiliência de futuros projectos de altímetros de radar à interferência de RF”. Enquanto isso, Wheeler destacou: “A FCC criou uma banda de guarda entre o espectro 5G e o espectro aviônico em que o 5G era proibido. A Boeing, em um  acordo com a FCC , havia proposto exactamente essa solução.

O que as companhias aéreas estão a fazer agora?

Na segunda-feira, as principais companhias aéreas alertaram que operar redes comerciais em C-Band 5G poderia causar uma crise de aviação “catastrófica”. Especificamente, poderia inutilizar muitas aeronaves de fuselagem larga, “poderia potencialmente prender dezenas de milhares de americanos no exterior” e poderia causar “caos” para voos dos EUA.

Inúmeras companhias aéreas internacionais não estão mais a operar nos EUA, incluindo Emirates, Japan Airlines, British Airways, Singapore Airlines, Korean Air e Air India. Alguns estão a cancelar voos por completo, enquanto outros estão a trocar de avião.

O presidente da Emirates, Tim Clark, disse à CNN, que a companhia aérea não estava ciente dos possíveis problemas de implantação do 5G até o último minuto. Ele chamou a situação do C-Band 5G de “uma das mais delinquentes, totalmente irresponsáveis” que ele já viu.

Como a Europa conseguiu implantar o C-Band 5G sem problemas?

O espectro de banda C dos EUA e o espectro de banda C europeu não são a mesma coisa. Na UE, o C-Band 5G funciona na faixa de espectro de 3,4 a 3,8 GHz. Isso está mais longe do espectro dos altímetros de radar, que fica entre 4,2 e 4,4 GHz.

MAIS: INACOM atribui licenças de frequências para tecnologias 5G a três operadoras

O presidente norte-americano Joe Biden em uma colectiva de imprensa em 19 de janeiro, disse: “Eu… empurrei o máximo que pude para que a tecnologia 5G aguentasse e cumprisse o que estava a ser solicitado pelas companhias aéreas até que pudessem se modernizar mais ao longo dos anos, para que o 5G não interferiria com o potencial do pouso dos aviões. Portanto, qualquer torre com a tecnologia 5G dentro de um certo número de milhas do aeroporto não deve estar operacional.”

“A minha equipa tem se envolvido sem parar com as operadoras de telefonia móvel, companhias aéreas e fabricantes de equipamentos de aviação para traçar um caminho para a implantação do 5G e a aviação coexistirem com segurança – e, na minha direção, eles continuarão a fazê-lo até fecharmos a lacuna restante e chegarmos a uma solução permanente e viável em torno desses aeroportos importantes.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here